Clássicos inesquecíveis


BRANCA DE NEVE


Era uma vez uma linda princesinha, chamada Branca de Neve, ela era adorada por todos os bichos da floresta, os pássaros vinham pousar em suas mãos e cantar para ela. Mas Branca de Neve tinha uma Madrasta, a rainha, que além de má, era muito vaidosa e egoísta. Todos os dias ela passava horas se arrumando e depois se olhava no espelho mágico e perguntava:
-         Espelho mágico, espelho meu, quem é no reino mais bela que eu?
E o espelho respondia:
-         Não há na terra mulher mais bela!

A rainha tinha inveja da beleza de Branca de Neve, e ciúmes de como todos a tratavam bem, por isso a obrigava vestir roupas velhas e rasgadas e a trabalhar como sua empregada. Ela achava que assim Branca de Neve ficaria com o rosto e as mãos velhas, gastas e feias. Ela acordava antes do sol nascer e já começava o trabalho, lavava, passava, costurava e terminava tarde da noite.

Enquanto trabalhava Branca de Neve cantava tão docemente que os pássaros vinham ouvi-la. Um dia porem Branca de Neve pediu aos pássaros que voassem para bem longe e levassem a sua história a algum valente que pudesse libertá-la.

Os pássaros contaram a história da princesa a um príncipe que também conversava com pássaros, e mais do que depressa ele veio ao encontro da princesa, quando entrou nos jardins do palácio e ouviu o canto de Branca de Neve ele então se apaixonou:
-         Bom dia Princesa, os pássaros me trouxeram até aqui!
-         Quem é você?
-         Sou um príncipe de um reino muito distante e vim para libertar a princesa mais bela e formosa que já existiu!
-         Cuidado a rainha pode ouvir!

A rainha que estava na varanda do quarto ouviu o príncipe dizer que Branca de Neve era a mais bela e formosa e ficou furiosa! E no mesmo instante foi consultar o espelho mágico:
-         Espelho mágico, espelho meu, quem é no reino mais bela que eu?

O espelho que sempre dissera ser a rainha a mais bela, desta vez respondeu:
-         Em questão de amor e beleza, Branca de Neve é hoje com certeza!

A rainha não se conteve e imediatamente mandou que seus guardas prendessem o príncipe invasor, como ela era muito valente, conseguiu escapar das mãos dos guardas e prometeu a Branca de Neve que iria voltar para salvá-la.

Mas a rainha não satisfeita, com medo de não ser considerada a mais bela e formosa de todo o mundo, chamou o caçador real e ordenou que levasse Branca de Neve a um passeio na floresta e que lá a matasse, arrancasse seu coração e o levasse para ela.

O caçador viu Branca de Neve nascer e crescer e muitas vezes saiu para caçar com o rei enquanto vivo. Ele sentiu muita pena da princesinha, mas não tinha escolha, deveria obediência à rainha.

No dia seguinte o caçador levou Branca de Neve a floresta, que inocente colhia pelo caminho violetas e cantava. Ao ver um passarinho caído no chão, ela pegou o passarinho e o colocou de volta no ninho, o caçador comovido, ajoelhou-se e disse:
-         Princesa me perdoe, a rainha mandou matá-la, mas eu não posso fazer isso, fuja e se esconda na floresta, mas nunca mais volte ao palácio.

Branca de neve, aterrorizada, correu sem olhar para traz, tropeçou e levantou várias vezes, até que quando muito cansada deitou-se no chão e se pôs a chorar. Os pássaros ouviram seu choro e voaram em sua direção, quando a viram deitada, a levantaram e a levaram a uma linda casinha que ficava no meio da floresta.

Era uma casinha muito engraçadinha, mas não havia ninguém! E quando ela entrou, minha nossa que desordem, tudo fora do lugar, vasilhas sujas, roupas espalhadas e os móveis muito empoeirados:
-         Que bagunça, aqui devem morar muitas crianças, mas eu vou dar um jeito nisso!

Com a ajuda dos pássaros e dos animais da floresta Branca de neve deixou a casa brilhando de tão limpa, e fez o jantar! Depois subiu as escadas e encontrou sete caminhas tão pequenas, que para descansar, teve que juntar três delas.

Branca de Neve adormeceu, quando lá na floresta os moradores da casa terminavam os seus trabalhos e viam a cantar pelo caminho:
-         Eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou,
Eu vou, eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou,
Parara te bum, parara te bum, eu vou, eu vou.

Ao chegarem em casa os sete anões, viram as luzes acesas e perceberam que tinha um intruso em casa, mas a casa estava toda arrumada, a roupa lavada, e sentiram um cheirinho de comida tão gostoso:
Zangado – Vamos procurar o intruso!

Os sete anõezinhos subiram as escadas e:
Atchim – Minha nossa, é um monstro, a a a a tchim...

Mestre – Não é uma princesa!

Dengoso – Mas como ela veio parar aqui?

Feliz – Na certa se perdeu pela floresta.

Com tanta conversa, Branca de Neve acordou, os anões tentaram se esconder, mas ela então disse:
-         Não tenham medo, eu não vou machucá-los!

Eles se aproximaram dela e então ouviram a sua história. Os anões tiveram medo, pois a fama da rainha é de ser muito má, mas aceitaram ajudá-la e a convidaram para morar com eles. O zangado não queria deixar, mas quando sentiu de novo o cheirinho da comida concordou depressa.

Por muito tempo Branca de Neve e os sete anões moram naquela casinha, eles trabalhando na floresta e ela limpando e cozinhando em casa. Os anões fizeram uma linda cama para ela se deitar.

Até que um dia, a rainha acordou, se arrumou e chegando na frente do espelho perguntou:
-         Espelho mágico, espelho meu, quem é no reino mais bela que eu?
-         Em questão de amor e beleza, Branca de Neve ainda é com certeza!
-         Mas ela está morta!
-         O caçador lhe deu um coração de porco, no lugar do dela.

A rainha muito furiosa mandou prender o caçador e transformou-se em uma velha, envenenou uma maçã e seguiu para a casa dos anõezinhos fingindo ser vendedora de maçãs.

Depois de um delicioso café da manhã, os anõezinhos seguiram para o trabalho, mas ao sair, o Mestre recomendou:
Mestre - Cuidado com a rainha, ela é feiticeira!
Soneca – Não deixe ninguém entrar!

Branca de Neve prometeu tomar cuidado.

Os anões já haviam saído para o trabalho, quando a velha bateu na porta:
-         Quem é?
-         Sou eu uma velha vendedora de maçãs!
-         Obrigada, mas não tenho dinheiro!
-         Não tem problemas, para uma linda princesa, como você, eu vou dar uma não precisa pagar, basta me dar um copo com água!

Branca de Neve deu o copo com água á bruxa, e logo pegou a maçã. Bastou uma mordida, e a princesa caiu desfalecida no chão.

Os bichos da floresta correram para avisar os anões, que logo chegaram, mas já era tarde demais. Os pássaros ao verem a princesa desmaiada, voaram para o reino distante em busca do príncipe.

Quando ele chegou, os anões haviam colocado branca de neve deitada sobre uma pedra no meio da floresta e os animais a cobriram com as mais belas e perfumadas flores. Ao ver Branca de Neve, o Príncipe não se conteve e decidiu dar-lhe um beijo de despedida.

Branca de Neve abriu os olhos e despertou do seu sono profundo, pois somente um beijo de amor poderia quebrar o encanto. Eles então se abraçaram e todos comemoraram o despertar de branca de Neve.

Enquanto isso a rainha madrasta se transformou definitivamente em uma velha bruxa, pobre vendedora de maçãs, foi assim então que o feitiço virou contra a feiticeira.

O príncipe decidiu pedi-la em casamento e os anões foram os padrinhos. Branca de Neve ocupou o lugar de rainha do seu reino e ela e o príncipe foram felizes para sempre.
Postar um comentário